Wednesday, 1 March 2017

Quando eu estive no Millerntor

Quando comecei a escrever o meu relato sobre a minha primeira ida ao Millerntor, queria escrever com riqueza de detalhes o que fiz, o que não fiz, o que vi e o que não vi. Mas ia ficar um texto muito extenso e muitos já escreveram a exaustão como é lá dentro.





David e eu

Mas eu, como fã do time há um bom tempo, gostaria de passar uma pequena idéia do que foi realizar esse sonho. Muitos dos que hoje seguem o time aqui no Brasil também tem esse sonho e ainda não conseguiram realizar, mas irão. E podem ter certeza que tem em mim uma pessoa que vai torcer muito para que isso aconteça.


Minha visão do estádio


Minha cara de pastel

Olha o chefe vindo dar um alô pra galera.

Muita coisa me foi facilitada pelos contatos que fiz ao longo desses anos e os outros que fiz quando estive lá. Poder conhecer torcedores da Nord Support, ficar no meio deles e ser bem vinda, foi muito legal. Conhecer o Hendrik Lüttmer, responsável pelo material do fanshop, estar dentro daquele estádio que muitas vezes vi em vídeos de outras pessoas, nas transmissões que assisti tantos finais de semana de manhã, que vi em tantas fotos e li em tantos relatos, não dá pra colocar em um texto.

Estar lá como realização de um sonho, não é algo fácil de descrever. Mas uma coisa eu garanto, tudo aquilo que a gente vê daqui virtualmente não é nada diferente ao vivo. As pessoas são muito legais, elas querem conversar com você, independente de quem você seja.

Eu fiquei bastante tempo, antes de entrar para assistir o jogo, apenas olhando o movimento de torcedores que iam e vinham no setor norte, que foi onde fiquei. Enquanto esperava o meu amigo terminar um trabalho para o fã clube dele, eu fiquei me divertindo apenas observando. Ele disse que eu poderia subir e ficar com o pessoal da torcida, mas eu queria curtir aqueles momentos, ver as pessoas, sentir o antes-durante-depois daquele momento tão aguardado.

O jogo que vi foi contra o Erzgebirge Aue e o time não ganhou aquele dia. Mas eu pude ter todas as experiências que já li e vi por aí. A entrada ao som de Hells Bells, poder ouvir Song 2 do Blur depois de um gol e tomar um banho de cerveja, cantar Das Herz von St. Pauli e ficar levemente bêbada nas arquibancadas (levemente porque eu não queria dar vexame na minha primeira festa).


Tudo! Tudo o que eu realmente esperava aconteceu e com certeza já faço planos para uma próxima visita. Quem sabe nessa segunda visita eu consiga fazer outro tipo de relato, algo mais detalhado, mostrando alguma particularidade do lugar.

Mas nesse relato, além de fazer mais de 4 meses que aconteceu essa visita e muitos detalhes terem sido perdidos no decorrer do tempo (a memória também não ajuda), escrever um texto extenso e cansativo não ia ajudar. Porque eu sei que poucos se atrevem a ler até o fim um texto muito longo.

Então vou deixar um vídeo e algumas fotos pessoais e fazer o convite para que vocês visitem o Millerntor, sintam a atmosfera, curtam cada momento quando estiverem por lá e depois me contem.


Com o Hendrik. Pessoa maravilhosa!




Eu quero agradecer imensamente ao meu grande amigo David, porque ele é quem me dá todo esse apoio desde sempre e sem ele todo esse sonho não teria sido possível.



Fotos e vídeo: Arquivo pessoal

1 comments :

Demais, zirmã! Esse é um ponto pelo qual quero passar em uma viagem futura. Fico feliz por você! Bjs

Post a Comment